Tendências que estão abalando o varejo em 2018

Tendências que estão abalando o varejo em 2018

Ficar atento nas tendências de mercado para o varejo de moda em 2018 é importante para planejar o futuro. Afinal, quem consegue inovar, encanta e surpreende os clientes mesmo diante de crises econômicas.

E sejamos sinceros, nos dias de hoje, provocar encantamento no cliente é essencial para que ele mantenha um relacionamento com a sua marca. Neste artigo vamos mostrar como a economia está se transformando e quais as maiores tendências do varejo para 2018.

O que os especialistas dizem sobre o mercado varejista brasileiro em 2018?
Que sua maneira de vender irá mudar radicalmente daqui para frente !

Mas o que foi falado em Dezembro/2017 ?

Pesquisa elaborada em dezembro de 2017 mostrava números otimistas sobre o ano de 2018 e como o comercio de varejo e moda iria se comportar mas, mesmo assim, era importante o empresariado ficar com os “pés no chão”.

Segundo a pesquisa o varejo de vestuário cresceu mais no quarto trimestre em 2017 com relação ao mesmo intervalo de 2016 e a expectativa é de que vai seguir uma trajetória ascendente neste ano de 2018. Esta previsão foi elaborada pela consultoria Lemi Inteligência de Mercado, tida como referência para o setor de têxtil e de vestuário.

Estamos melhorando mas…
Para 2018, a Lemi projeta um crescimento de 3,2% no volume de vendas do varejo de vestuário, chegando a 6,34 bilhões de peças. Em valor nominal, a previsão é de um aumento de 6,3%, cerca de R$ 204,34 bilhões.

De acordo com a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) as vendas no natal de 2017 foram 6% maiores que nos anos anteriores. Este número representa um aumento de R$ 51,2 bilhões gastos entre os dias 22 e 24 de dezembro.

E para você, estes números estão acontecendo?

A expectativa do setor em Dez/2017 era ter um natal considerado bom. Por mais que as expectativas sejam positivas, em 2018 ainda será um ano um pouco turbulento. Por isso, a previsão foi mais conservadora.

Foi lembrado que 2018 será um ano com muitos feriados no meio da semana, que podem ser emendados, com Copa do Mundo da Fifa e eleições.

Esses três fatores tiram produtividade das empresas e afastam os consumidores das lojas – inclusive as de vestuário. “O ano de eleições também pode gerar instabilidade política, dependendo da evolução da corrida presidencial”.

Foi lembrado que parte do desempenho de vendas das empresas dependerá do clima, especialmente no caso das coleções de inverno.

Do lado positivo, a Lemi cita o câmbio mais estável, que pode favorecer as importações das empresas de varejo e estimular uma volta do investimento na importação de tecidos e peças mais sofisticadas, porém, mesmo tendo o câmbio mais estável, a alta do Dólar pode prejudicar os lucros diretos das empresas.

“As varejistas de vestuário enxergam um cenário mais positivo para 2018. Os juros mais baixos, a volta do crédito para os consumidores e a inflação mais baixa acaba proporcionando uma sobra na renda das famílias, favorecendo o consumo como um todo”, afirmou Lima.

Segundo o executivo, as empresas associadas à Abvtex trabalham com expectativa de elevação de vendas em volume e valor no próximo ano.

E quais são as dicas para aproveitar este otimismo ?

#1 – Conhecendo seu cliente o máximo possível.
Em um ambiente tão competitivo é necessário se posicionar de forma diferente para que seu cliente te veja. A antiga estratégia de fazer alguns panfletos, feiras e divulgar em algum veiculo de massa e assim, esperar para com o que seu cliente entre na sua loja esta ficando ineficiente.

#2 – A opinião alheia vai ser ainda mais importante.
Hoje em dia os consumidores só precisam de alguns segundos para contar ao mundo sobre uma experiência ruim que viveram com alguma marca. Esses comentários negativos podem arruinar as vendas de um produto ou serviço e os motivos são que as pessoas, de maneira geral, preferem confiar na opinião de estranhos ao invés de confiar em uma marca que nunca tiveram um longo relacionamento com elas, o motivo disso é bem simples, mesmo que as outras pessoas sejam desconhecidas, os consumidores sabem que elas contam suas experiências reais com o produto e é isso que as pessoas querem, sinceridade, ninguém compartilha algo que não seja relevante, independentemente do ‘tom’ deste assunto.

#3 – Você terá que ser aquilo que diz ser.
Talvez a sua empresa tenha alguma informação sobre Missão, visão e valores. De maneira geral, estes conceitos foram introduzidos nas corporações para que pudesse gerar valor agregado e criar um espirito de propósito dentro do trabalho mas, o fato que o empresariado desenvolveu estes conceitos porque todos seus concorrentes tinham ou porque achavam legal ter este diferencial dentro da empresa porem, a vivência destes conceitos quase não ocorre.

Saiba que os novos consumidores chegam a pagar 25% a mais só porque a marca ou loja desenvolve algo que beneficie o meio ambiente ou traga algum beneficio para a sociedade portanto, se sua empresa tem como missão ser a líder de mercado ou a melhor empresa do Brasil dentro do seu segmento, saiba que seu consumidor vai exigir que você prove isto. Que você mostre, alem do faturamento, o porque é o melhor.

#4 – A postura das marcas diante de assuntos sérios vai ser importante para os consumidores
As pessoas buscam se aproximar de marcas na qual se identificam de alguma forma, Estilo de vida, visual, status ou outro fator.
Nos próximos anos este conceito vai evoluir ainda mais, os produtos deixarão de ser os únicos responsáveis por formar a opinião dos consumidores, agora elas querem saber questões sociais, ecológicas e até políticas das marcas que consomem.
Inclusive, podem deixar de consumir e promover boicotes às marcas que possuam posturas diferentes daquelas que acreditam.

#5 – Online e offline vão ser um só
Quem nunca ouviu aquela história do consumidor que entrou na loja, provou diversos tênis e depois comprou online?
Se você acredita que essa atitude é injusta, saiba que vai ser uma das tendências de vendas pela internet mais populares em 2018.

Acostume-se, o mundo online está intrínseco nos consumidores e cada vez mais as lojas serão usadas como showroom. Mas o contrário também é verdade, há pessoas que compram na loja online e retiram o produto na loja física.

No final das contas não importa se é no ambiente online ou off-line que o cliente vai comprar. O importante é manter todos os canais alinhados para garantir que os clientes encontrem os mesmos produtos na loja física e na loja online e se sinta satisfeito com as possibilidades.

Se você não esta planejando entrar no ambiente digital tão cedo é bom se preparar para diminuir suas vendas…

#6 – O conteúdo personalizado vai ser uma estratégia indispensável
Tratar os clientes de forma padronizada, atirar promoções para todos os lados ou disparar 30 e-mails por semana são estratégias que estão ganhando o desgosto do consumidor. As pessoas são diferentes e possuem diferentes necessidades, elas exigem tratamento diferenciado.
Em 2018 o varejo precisa se importar em vender o produto certo no momento certo, não há nada pior que comprar um produto e se deparar com uma promoção do mesmo produto ainda mais barato, a maneira antiga de gerenciar clientes sofrerá mudanças, e as confecções precisarão dispor de logística produtiva para atender essa exclusividade afinal, atrasos de coleção, coleções pensadas de forma “genérica”, falha na comunicação entre departamentos produz um produto mau pensado e afeta diretamente na maneira como o cliente percebe a coleção

#7 – O cliente vai exigir ser ouvido em qualquer lugar
Este ano será ainda mais importante participar dos canais de comunicação onde seus clientes estão, não importa se for uma reclamação, elogio, pedido ou sugestão, eles precisam ser ouvidos, se um cliente está falando com você, você precisa estar lá para responder.

Não basta apenas disponibilizar um numero 0800 para reclamações, sua gestão precisa estar informatizada, desde a loja até a fabrica, através de um sistema ERP de qualidade e que ajuda a acessar a informação de maneira inteligente.

Compartilhe

WhatsApp Chat
Enviar